Diferenças na declaração de exército

Há uma aparente contradição nos textos de 2 Samuel 24:9 e 1 Crõnicas 21:5, onde é citado números diferentes para contabilizar os exércitos de Israel e Judá:

Essa descrição é de um censo dado por Joabe. Esse censo (dados aproximados de contagem) feito nesse período, foi realizado de maneira oral. Por isso, o que foi descrito, foi passado de boca a boca e poderia causar inconsistências entre os livros, já que essa numeração não foi declarada no livro de registro das crônicas do rei Davi (1 Crônicas 27:24). O que foi registrado em cada livro, 2 Samuel e 1 Crônicas, foram dados aproximados, não finalizados, e não exatos como a própria bíblia declara em 1 Crônicas 27:24. Somente com essa informação já é possível explicar a falta de precisão entre os dois livros, já que a própria bíblia descreve que esses números não são exatos e conclusivos, sendo apenas estimativas orais.

Retirando a possibilidade de erro de cópia dos escribas e ignorando a possível inconsistência oral, pode-se haver, também, uma divergência na sumarização do censo. Em 2 Samuel 24:9, é citado que haviam para Israel 800 mil homens de guerra, que arracavam da espada, enquanto em 1 Crônicas 21:5 é citado sem a palavra guerra, apenas homens, dos que arracavam da espada. Com isso na contagem descrita no livro de 2 Samuel não seria contabilizada todas as tropas, somente os mais fortes, prontos para a guerra, enquanto que em 1 Crônicas foram contabilizadas todas as tropas, incluindo, soldados de fortificação, auxílio e guarda. Veja:

E Joabe deu ao rei a soma do número do povo contado; e havia em Israel oitocentos mil homens de guerra, que arrancavam da espada; e os homens de Judá eram quinhentos mil homens.
2 Samuel 24:9

O texto de 1 Crônicas não especifica que são somentes homens de guerra, mas todos os soldados, seja de guarda ou não, e portanto não tem a palavra guerra:

E Joabe deu a Davi a soma do número do povo; e era todo o Israel um milhão e cem mil homens, dos que arrancavam da espada; e de Judá quatrocentos e setenta mil homens, dos que arrancavam da espada.
1 Crônicas 21:5

A listagem da quantidade desses soldados permanentes, responsáveis por servir o rei (1 Crônicas 27:1) que não foram contabilizados encontra-se descrita em 1 Crônicas 27:1-15, dividida em grupos.

Já para a contagem da tribo de Judá, retirando a possibilidade de arredondamento na contagem, o que por se relato oral seria possível, em (1 Crônicas 21:5), não foi contabilizado os 30 mil homens responsáveis pela guarda permanente (2 Samuel 6:1). Observe a diferença também no final de cada versículo.

Com isso os dois relatos se complementam, o de 2 Samuel 24:9, contabiliza somente os soldados de guerra para Israel, contando os 30 mil soldados permanentes para Judá e o de 1 Crônicas 21:5, considera todos os soldados para Israel, incluindo os que serviam o rei, e remove os soldados da guarda permanente. Portanto, não há contradições entre os dois relatos bíblicos.